Uma União Sagrada | Kabbalah Centre Portugal

Uma União Sagrada

Para a maioria de nós, chega aquele momento em que desejamos encontrar alguém especial para partilharmos a vida. Sempre acreditei que somos mais capazes de atrair as nossas almas-gémeas para as nossas vidas quando reconhecemos que não conseguiremos atingir a totalidade do nosso trabalho espiritual sozinhos. Quando cultivamos a humildade, atiça-se na alma um profundo desejo por encontrar um parceiro. Humildade é a consciência de que não fomos criados para atravessar esta vida sozinhos, e que todos podemos dar uso a uma ajudinha no caminho.

 

Até nos abrimos à verdade de que precisamos dos outros, não podemos de facto criar aquele espaço necessário a que a nossa "outra metade" possa entrar. Quanto estamos abertos a ver que são necessários dois pares de mãos para construir uma vida, o desejo de encontrar o nosso par emerge. A parceria a que me estou a referir, no entanto, não está necessariamente limitada a uma pessoa física. A grande parceria, a que também estou a referir-me, é a parceria com o Criador. O Criador é o nosso tranquilo, e muitas vezes silencioso, parceiro e companheiro. Dependemos do Criador e da Sua força de Luz a cada momento. Podemos pensar que estamos sozinhos a guiar os nossos barcos, mas é na verdade o vento do Criador que infla as nossas velas. Esta semana é-nos dado o dom da humildade de saber que dependemos da Luz do Criador. Construímos uma desejo maior pela sua parceria. Pois só quando reconhecemos que precisamos de ajuda podemos criar o espaço para que tal ajuda entre. Quando criamos uma abertura, a Luz imediatamente se apressa e juntar-se-nos. Quer a Luz nos chegue em forma de um esposo, alma-gémea, parceiro ou milagre, todas as parcerias são feitas no Céu para nos ajudar na nossa jornada. Fomos enviados cá para seguir os nossos próprios caminhos na vida, mas seguramente somos levados a segurar a mão de alguém ao longo do caminho.

 

Esta semana, o nosso guia cósmico é a porção Beha'alotcha. Em hebraico, Behaálotch significa "quando levas a ascender". E refere-se a Aarão ao acender a menorah no Tabernáculo. A menorah descarregava a Luz do Criador para os Israelitas e para o mundo. Era uma outra ferramenta para craiar a nossa Sagrada Parceria com o Criador. A menorah era um veículo para criar essa união perfeita e sagrada com a força da Luz. Qualquer pessoa bem sucedida dirá que não alcançou a sua grandeza sozinha. De facto, por detrás de cada grande homem há uma grande mulher e por detrás de todos nós está sempre o Criador, apoiando-nos e dando-nos a orientação, a força e os milagres de que necessitamos para atingir a satisfação que buscamos. Mesmo a construção da menorah em si foi um feito que Moisés não conseguiu alcançar sozinho. O Criador mostrou a Moisés a visão de como deveria ser construída a Menorah e ajudou-o no processo. A porção desta semana e a energia no Cosmos amacia os nossos corações e abre as nossas mentes para vermos a necessidade de nos unirmos ao Divino. A união com o Criador é aquela silenciosa, mas necessária, parceria de que necessitamos para atingir os nossos objetivos e alcançar os nossos sonhos. Apenas precisamos de star abertos a ouvir as mensagens enviadas por Ele e dispostos a fazer as ações na direção apontada. Acresce que esta porção descreve lindamente o modo como o Criador foi instruindo os Israelitas na viagem pelo deserto. A Bíblia diz-nos "e sempre que a nuvem era retirada de sobre a tenda, então os filhos de Israel punham-se a caminho; e no lugar onde a nuvem repousasse, era onde os filhos de Israel acampavam". Tal como os filhos de Israel, o nosso Parceiro envia-nos sinais sobre o nosso próximo passo, mas apenas se estivermos abertos ás respostas poderemos escutá-Lo. Por vezes, a resposta não é a desejaríamos ouvir, por isso fingimos que nada ouvimos.


Pode haver alturas em que nos debateremos na vida porque recusamos deixar entrar a ajuda necessária. O orgulho pode alhear-nos dos outros, porque temos medo de sermos vulneráveis ou necessitados. Mas a humildade ensina-nos que todos precisamos de ajuda. Até Moisés precisou de ajuda. è a ajuda dos nossos professores, dos vizinhos, dos esposos, dos parceiros, amigos e, mais importante, ajuda do Criador, de quem dependemos. Podemos pensar que somos brilhantes, mas a nossa visão e capacidades são limitadas. Os nossos melhores e maiores planos podem cair por terra, e é nessas alturas que nos voltamos para o Criador para juntar os cacos. Admitir espaço nos nossos corações e mentes para que entre a Luz do Criador é a permissão para que as nossas bênçãos se manifestem. Uma mão estendida para o Criador é a parceria que precisamos para o sucesso e para a capacidade de nos ligarmos ao Universo Infalível onde não há caos. Caminhar sozinhos na construção das nossas carreiras e vidas pode a princípio parecer uma grande ideia, mas todos acabamos por chegar a um bloqueio de dificuldades que nem as mentes mais brilhantes conseguirão resolver. É então, em desespero, que procuramos ajuda. Mas não teria sido melhor se tivessemos juntado forças com o Criador antes de chegarmos a esse ponto? Esta semana, o Criador estende-nos a mão. Tudo o que necessitamos é de estar dispostos a estender a nossa e agarrá-la.

 

Esta semana, nas suas meditações, visualize-se numa linda praia cálida. A luz rosada do sol paira sobre o azul do oceano. Você caminha pela praia, pronto a encarar o dia. Então, de súbito, sente o toque caloroso de uma outra pessoa na sua mão. Pode ser a mão do Criador. Pode ser a mão do seu anjo da guarda ou do seu verdadeiro amor. Os dois entrelaçam as mãos e sentem uma renovada sensação de força, segurança, e certeza. Juntos, ambos caminham neste mundo em equipa; uma união sagrada feita no Céu. Como um anjo enviado do alto, ambos atraem bênçãos para a vida um do outro e para o mundo.

 

Recordo-me então da fábula do homem a quem o Criador pediu que empurrasse um rochedo. Todos os dias o homem empurrava o rochedo, mas em vão, não o conseguia mover. Muito tempo passou e o homem busca o Criador. Com um coração derrotado, ele lamenta-se ao Criador por ter falhado na tarefa que lhe fora confiada. Pois não conseguira movimentar a rocha. E o Criador responde-lhe, "Meu filho, eu apenas te pedi que empurrasses o rochedo. Serei eu que o vou mover".

Karen