Não fique satisfeito | Kabbalah Centre Portugal

Não fique satisfeito

Na porção de Korach, os Kabalistas  dizem-nos que no âmago do que Korach estava a dizer havia uma mensagem tão poderosa que inicialmente todos os líderes e quase todos os Israelitas foram despertados por ela. Então, qual era essa mensagem? O que era tão verdadeiro e poderoso no que Korach estava a dizer para que fosse capaz de, como o Midrash nos diz, atrair tantos Israelitas com as suas palavras?

 

Naquela época, no deserto, havia diferentes grupos de pessoas. Havia os kohens, os sacerdotes, que eram considerados o grupo mais íntimo; eram os que estavam mais próximos da Luz do Criador e os que faziam o trabalho espiritual na sua forma mais elevada. Depois havia os Levitas, que eram elevados, mas não como os sacerdotes. Eles tinham um pouco mais de distância do trabalho espiritual. E entre os próprios Levitas havia diferentes grupos que estavam mais próximos ou mais afastados. O grupo mais externo era formado pelos chamados Israelitas. Naquele momento, no deserto, todos estavam bem com isso. Toda a gente estava satisfeita; este é o meu trabalho, alguém faz mais trabalho e está mais conetado, e assim por diante.


No entanto, a mensagem de Korach era algo muito verdadeiro: estar satisfeito é o lugar mais perigoso para se estar, sob o ponto de vista espiritual, quer com o lugar onde espiritualmente se está, quer com a quantidade de trabalho que ele ou ela está a fazer. Portanto, a mensagem de Korach para todos era para acordarem. Não está correto que somente Aaron, por exemplo, entre no Kodesh HaKodashim, o Santo dos Santos, ou que Moisés fale com a Luz do Criador todos os dias. Ele disse que cada um de nós deveria estar lá e deveria ter o desejo de estar lá. A sua mensagem era para não ficarmos satisfeitos com a situação atual e despertarmos mais.

 

Sabemos que as palavras escritas na Torah devem ser palavras de verdade, e estas são palavras de verdade de Korach; como tal, é uma mensagem que cada um de nós precisa de pedir neste Shabbat. Porque cada um de nós, num grau ou noutro, está satisfeito com o seu próprio estado espiritual e com o nível de conexão. E o Zohar diz-nos que uma pessoa que está satisfeita com o lugar onde está no seu trabalho espiritual e conexão espiritual é uma pessoa que está a caminho de se desconectar da Luz do Criador.

 

Há uma secção no Zohar que já antes mencionei, mas queria partilhar de novo, porque se relaciona lindamente com este ensinamento. Fala sobre as ondas no oceano, perguntando: “Quais são as ondas?” O Zohar explica que existem as águas mais baixas, a água dos oceanos, e depois existem as chamadas águas mais altas, as águas mais próximas da Luz do Criador, as águas que estão nos Céus. E as águas que estão nos mundos inferiores, as águas do oceano, têm um desejo ardente de estar mais perto da Luz do Criador. As ondas, portanto, são a manifestação das águas dos desejos do oceano para subirem e se conectarem com a Luz do Criador. Mas a Luz do Criador empurra-as de volta para baixo e diz: “Não, esse não é o vosso lugar.” E o que sustém as águas do oceano, explica o Zohar, é o seu constante desejo de ir mais alto, o seu desejo constante de não estarem satisfeitas com seu estado mais baixo de conexão. O que sustém a essência das águas, o que a Luz do Criador lhes dá, é o anseio constante por uma conexão mais elevada. E este é um dos grandes presentes do Shabbat Korach.

 

Neste Shabbat, todos temos a oportunidade de receber a verdadeira mensagem de Korach: não fique satisfeito. Onde quer que estejamos, qualquer que seja o nosso nível de conexão, qualquer que seja o nosso nível de trabalho, queremos ficar insatisfeitos, porque é isso que nos sustém. O desejo que as águas do oceano têm de se aproximar da Luz do Criador é o desejo que cada um de nós precisa despertar para estarmos mais à frente no nosso trabalho e na nossa conexão. Porque é essa insatisfação com o nosso nível atual que permite que a Luz constante do Criador entre nas nossas vidas, com a totalidade da Sua proteção e bênçãos.