Elevar a fisicalidade | Kabbalah Centre Portugal

Elevar a fisicalidade

Há uma colectânea de alguns ensinamentos de uma grande alma que viveu e foi morto durante o Holocausto. Não há um ensinamento em cada porção semanal; portanto, nem sempre tenho a oportunidade de estudar a partir dela. Mas Vayishlach é uma porção na colectânea, e estou entusiasmado por partilhar o ensinamento consigo.


A maioria de nós conhece a história; Jacob,que viveu muitos anos com o seu sogro Labão, recebe uma mensagem do Criador: está na hora de regressar a casa de seus pais. A caminho, descobre que o seu irmão Esaú está a chegar para lhe fazer mal e provavelmente para o matar, a ele e à sua família. E assim, Vayislach começa com a frase que afirma que Jacob "enviou anjos." Não é frequente encontrarmos esta terminologia - literalmente, a palavra "anjo" - na Torah. Há uma discussão entre os comentadores sobre se ele, literalmente, enviou anjos ou se os anjos, aqui, significam simplesmente mensageiros ou pessoas enviadas por Jacob. Rashi, o grande Kabalista e comentador, diz que Jacob, na verdade, chamou anjos do Céu para irem ver e falar com os soldados de Esaú que o vinham matar.

 

Sabemos que todas estas histórias não são históricas mas sim segredos e entendimentos de que hoje precisamos. Então, qual é aqui o segredo? Este ensinamento diz que podemos compreender este verso e o segredo do conceito de Jacob enviar anjos verdadeiros, já que ele diz respeito ao nosso próprio trabalho espiritual. Qual é o maior e último desejo do Criador para nós? O que é que o Criador verdadeiramente deseja para e de nós? Alguns podem pensar que é o trabalho espiritual, as orações, as conexões...mas este ensinamento diz que não; a coisa mais definitiva e importante que o Criador deseja para nós não é o trabalho espiritual que vemos como ações espirituais, o estudo ou as conexões. Ao invés, é ter a capacidade de elevarmos a fisicalidade.


Os Kabalistas falam frequentemente sobre isto. A alma não tem de descer ao mundo físico para fazer o trabalho espiritual e ações de conexão espiritual, as quais podem ocorrer nos Mundos Superiores, seja para orar, para estudar ou até para partilhar. O foco principal do nosso trabalho não devia ser as ações espirituais que podem ser feitas nos Mundos Superiores, mas antes elevar a fisicalidade; este é o benefício de enviar a alma para o corpo físico, no mundo físico.

Portanto, primeiro ele (Rashi) faz uma afirmação muito importante para todos nós entendermos: o essencial do nosso trabalho precisa de ser não simplesmente trabalho espiritual, tal como o vemos nas conexões, no estudo, na oração ou até mesmo nas ações de partilha, mas antes ter o foco de elevar a fisicalidade. Como o fazemos? Injetando Luz do Criador em toda a fisicalidade deste mundo.


Para dar um exemplo, quando uma pessoa está a comer, a questão é por que razão está a comer. Se está a comer porque deseja simplesmente desfrutar da fisicalidade de comer, esse é um tipo de consciência. O outro tipo de consciência é: "Estou a comer isto ou estou a beber isto ou estou a desfrutar disto do mundo físico, para que possa  ter uma maior capacidade e habilidade para me conectar com a Luz do Criador." Quando uma pessoa vive a sua vida desta forma, significa que em tudo aquilo em que participa de físico ela compreende e injeta a consciência de que a razão por que está a desfrutar desta comida, bebida ou espaço físico onde está, é porque ela pediu que tudo isso lhe desse uma maior capacidade de força e felicidade para ser capaz de se conectar com a Luz do Criador, e esse é então o propósito último do seu trabalho espiritual.


Para alguns de nós pode ser uma viragem a compreensão de que o objetivo do trabalho espiritual, na realidade, não é o espiritual mas sim a capacidade de injetar toda a fisicalidade com a Luz do Criador. Essa é a razão por que estamos neste mundo, porque de outra forma - e é importante entender isto - não haveria um propósito para estarmos aqui, porque o trabalho espiritual pode ser feito no mundo espiritual. O propósito de sermos enviados para este mundo é podermos injetar a Luz do Criador no físico. Fazêmo-lo através da consciência. Fazêmo-lo usando e recebendo conscientemente o físico.


E ele (Rashi) traz um ensinamento do aluno do Ba'al Shem Tov, o Maggid de Mezeritch. De vez em quando, no Zohar há uma secção poética mas muito difícil de compreender. Uma dessas secções está no início do Zohar, em Mishpatim, na secção 15. Há uma passagem chamada Saba de Mishpatim na qual um velho sábio revela segredos da reincarnação. Ele fala acerca do trabalho deste mundo e termina com a frase que diz que o nosso trabalho é vestir a Shechinah  -  ou o que designamos de nossa mãe, a nossa protetora, -  com coisas belas, que "não existem" ou "não têm existência". O velho sábio revela que esse é o propósito do nosso trabalho, o Saba de Mishpatim: vestir, acordar e preparar as coisas belas que não têm existência.
Assim, o Maggid de Mazeritch explica o segredo dessa secção no Zohar, dizendo-nos que o trabalho espiritual tem existência, Luz e uma essência; o Zohar tem uma essência, quer a toquemos quer não. As orações têm uma existência e têm Luz, digamo-las ou não. Até as ações de partilha, porque estão conectadas com a Luz do Criador, têm uma existência separada do que fazemos com elas.

 

Mas o que não tem Luz ou existência espiritual, sem a nossa injeção é tudo o que pertence ao mundo físico. Desta forma, o propósito do nosso trabalho espiritual neste mundo não são as ações espirituais mas, através dessa consciência, injetar a Luz do Criador na fisicalidade deste mundo. Assim, quando entendemos isso, entendemos outra vez uma mudança na forma como focamos o nosso dia. Não podemos pensar que é suficiente estudar, conectar, rezar, meditar ou até fazer ações de partilha; a pergunta que temos de nos colocar é: "Quanta fisicalidade elevei hoje? Quanta fisicalidade investi e injetei com a Luz do Criador?" De acordo com Saba de Mishpatim, o velho sábio, estamos a tomar coisas físicas que não continham em si um grande investimento da Luz do Criador, e investimos nelas, através da nossa consciência, uma grande Luz do Criador, e elevamo-las. Esse devia ser o verdadeiro foco do nosso trabalho espiritual.


Quando fazemos isto, algo de belo acontece. Uma pessoa focada neste trabalho, que na maior parte do tempo em que está a comer, a beber ou a participar deste mundo físico, está a elevar o físico através da sua consciência para uma conexão com a Luz do Criador, eleva-se para o nível de uma pessoa justa.

As pessoas cometem, com frequência, o erro de pensar que ser espiritual e conectado com o Criador vem de se fazer trabalho espiritual, mas como acabamos de aprender, não é essa a questão, porque para fazermos o trabalho espiritual não precisamos de estar no mundo físico. Podemos fazer todo o trabalho espiritual nos Mundos Superiores. Há apenas uma razão para estarmos neste mundo físico, e o propósito último do nosso trabalho é elevar tudo o que pertence a este mundo físico - a comida, a bebida, o prazer e assim por diante. Se o fizermos consistente e continuamente, então elevar-nos-emos para o estado de uma pessoa justa.

 

E este é o segredo da frase que inicia a porção Vayislach -"Jacob enviou anjos." Jacob viveu a sua vida com esta compreensão, consciência e foco; cada vez que comia, bebia, cada vez que usufruía do físico, ele tinha a consciência de: "Estou a investir a Luz do Criador nisto, e eu quero este prazer, esta comida, esta fisicalidade, para me conectar com mais força ainda à Luz do Criador." Por consequência, ele elevou essas coisas físicas até ao nível do que nós chamamos de "anjos", ou entidades espirituais, seres espirituais. Através deste trabalho, os verdadeiros anjos, a verdadeira energia espiritual foi investida e criada em toda a sua fisicalidade.


Jacob viveu a sua vida a investir sempre no físico. Nós não temos de investir no espiritual com Luz porque o espiritual tem Luz, o Zohar tem Luz, as orações têm Luz, até as ações de partilha têm a sua essência e Luz. O que não tem Luz e precisa de ser injetado com a Luz do Criador para que lhe seja dada existência e para ser elevado é o físico. Precisamos de tomar o físico e elevá-lo a uma conexão com a Luz do Criador, com a consciência de que temos estado aqui a falar. Mashiach, o fim da dor, do sofrimento e morte virão não quando mais pessoas rezarem, estudarem ou até fizerem ações de partilha. Isso acontecerá quando mais e mais pessoas viverem esta consciência e elevarem o físico.