Diminuir a mente | Kabbalah Centre Portugal

Diminuir a mente

A porção Bechukotai começa: Im bechukotai telechu, "se andares no Meu caminho", ve'natati gishmeikhem beitam , "então merecerás todas as bênçãos que a Luz do Criador nos pode dar." E o Midrash, nesta porção, fala do segredo do que aqui significa a palavra andar. Conta-nos que o rei David disse: “Todas as manhãs eu acordava e tinha o meu plano para o dia, e então alguma coisa acontecia e os meus pés arrastavam-me para um local de estudo ou oração”.

 

Então, o que significa isso? É um ensinamento muito importante: a mente de ninguém, por si só, tem a capacidade de encontrar o caminho certo. Às vezes, pensamos que se tivéssemos poder cerebral ou tempo suficientes, poderíamos resolver as coisas. Mas temos que entender que a nossa mente - e até mesmo a maior mente - por si só, não pode encontrar o caminho certo o tempo todo. Isto não significa que não usamos a nossa mente, mas sim que começamos com uma regra que diz: “Eu sei que por mais inteligente que eu venha a ser ou por muito que eu compreenda, a verdade suprema, direção e resposta são algo para além da capacidade da minha mente e da mente humana em geral. Portanto, enquanto vivo a minha vida e passo o dia, sim, estou sempre a usar a minha mente, mas também estou a reduzi-la”.


A verdade suprema e a resposta para qualquer questão que tenhamos ou qualquer direção que precisemos não é algo que alcancemos simplesmente através da compreensão da nossa mente. De novo, isso não nega a necessidade de se usar a mente, mas significa que precisamos de ter a humildade e a clareza de entender que a nossa mente não nos levará até ao fim ... não pode; não tem capacidade. No entanto, ao simultaneamente usarmos e diminuirmos a mente, e lembrarmo-nos constantemente de que o fim do caminho não pode estar onde a nossa mente nos quer levar porque a nossa mente é limitada, obtemos as mensagens e as direções de um lugar mais elevado, a Luz do Criador. É através desse trabalho de consciência, de diminuir a forma como somos dependentes do modo como a nossa mente vê as coisas, e de saber que a nossa mente, por si só, não nos vai levar onde precisamos de ir, que a nossa mente é elevada até um lugar mais alto.


A mente pode ser uma coisa muito poderosa, mas também pode ser uma barreira entre a nossa vida e a Luz do Criador. Portanto, embora tenhamos que usar a mente o tempo todo, também precisamos de estar cientes do facto de que não queremos depender apenas dela. Temos que diminuir consistentemente as nossas mentes de forma a permitir que os nossos pensamentos sejam elevados e recebam de um plano superior. Isto era o que o rei David estava a dizer. Ele sabia que a sua mente era limitada, e porque se lembrava constantemente disso, ele acabava sempre por receber o pensamento certo e por estar no lugar exato que precisava estar para aprender ou para se conectar. E é este equilíbrio muito difícil entre a mente e a diminuição da mente que pode trazer cada um de nós, como o rei David, para a  direção certa e para o pensamento correto.


Já falamos antes sobre como as dúvidas e os medos prejudicam os canais de assistência que o Criador preparou para nós quando nascemos, e perguntamos por que razão essas dúvidas e medos têm que ser constantes. Por que não podemos passar uma semana sem nada externo ou interno que nos cause preocupação? A resposta, que está relacionada com este ensinamento, é que a mente precisa de ser combatida. A mente tem que passar pela luta para receber a verdade. A mente tem de ser bombardeada diariamente para que, quando lutamos, a elevemos para encontrar a verdade e para nos levar ao lugar certo.


Portanto, ao mesmo tempo que queremos despertar a força e o desejo de não cairmos na dúvida e no medo, porque entendemos que isso causa danos aos canais de assistência que o Criador preparou para nós, também queremos aceitar a batalha da certeza. Porque essa batalha permite que a mente seja diminuída de tal forma que podemos então encontrar a verdade e chegar a um lugar onde estamos abertos para ver o caminho certo. Como tal, a batalha deve ser constante. E quanto mais Luz recebermos no Shabbat Bechukotai, mais poderemos vencer essa batalha, e mais a mente começa a direccionar a nossa vida para onde ela precisa de ir. É uma grande dádiva de elevação e de consciência a que podemos receber neste Shabbat; a de podermos, regularmente, encontrar quer onde precisamos estar quer a verdade de cada um dos nossos dias.