Artigos de Lua Nova em Caranguejo - Ver no escuro | Kabbalah Centre Portugal

Artigos de Lua Nova em Caranguejo - Ver no escuro

Feliz Lua Nova em Caranguejo!
Bem-vindos ao novo mês lunar de Tammuz, que literalmente significa tam vav zain, a conclusão dos dois meses anteriores de Touro (Vav) e Gémeos (Zayin). E o regente de Caranguejo é um dos nossos luminares: a Lua!

Tradicionalmente, o mês de Caranguejo está associado às raízes familiares e à cura (é a altura para o famoso Pinchas Shabbat). Também marca o início da época desafiadora de Bein HaMetzarim, o período de três semanas entre o 17º de Tammuz e o 9º da AV, que é considerada a janela cósmica mais desafiadora do ano.


Para ter uma ideia melhor de todos os “porquês” por detrás do Caranguejo, vamos voltar ao manuscrito cabalístico mais antigo, o Sefer Yetzirah, ou O Livro da Formação:

E Ele fez a letra chet rei sobre a visão,
E Ele colocou-lhe uma coroa
E Ele combinou um com o outro,
E com eles Ele formou
Caranguejo no universo
Tammuz no ano
E a mão direita da alma, masculina e feminina

A palavra-chave é “visão”, pois este mês somos desafiados a realmente “ver” o que normalmente evitamos. Mas, primeiro, vamos dar uma olhadela mais de perto na Lua, o regente deste mês.
O único satélite da Terra, a Lua representa a proteção desta, tanto espiritual como fisicamente. Graças à Lua, reconhecemos e contamos os meses e as estações. Além disso, a Lua ilumina o nosso caminho durante a altura mais escura da noite. Acredita-se que a Lua tenha protegido fisicamente a Terra de meteoritos no passado.


A Lua representa quem somos quando estamos sozinhos, o nosso verdadeiro núcleo, quem somos realmente no fundo, e a versão mais crua de nós mesmos. A Lua ilumina a criança interior, os nossos eus carentes e emocionais que buscam segurança e carinho. Em termos do arquétipo Junguiano, a Lua representa a anima. Com origem no latim, anima define a respiração, a alma e a força vital. Por tudo o que ouvimos, o mês lunar de Caranguejo vai ser para nós uma Viagem ao Centro da Terra, uma jornada para ver a profundidade das nossas psiquês.
Na realidade, o mapa da Lua nova é muito aquático, muito tenso, e muito escorpiónico.  A oitava casa astrológica, a casa de Escorpião, é a dominante. O ascendente do mapa está em Escorpião, enquanto um monte de planetas estão em Caranguejo. Vénus está bastante desafiado e desconfortável em Gémeos, e também está localizado na oitava casa.


Quando falamos da oitava casa, digamos apenas que esta é a mais desafiadora e intimidante de todas as casas do Zodíaco. Esta é uma casa que esconde todas as coisas de que temos vergonha - os tabus, a raiva, todo o nosso lixo emocional, bem como tudo o que varremos para debaixo do tapete e com que nos recusamos a lidar. Também é conhecida como a casa da morte e da reencarnação. Para realmente entender a oitava casa, temos que aceitar que não há início sem um fim, e vice-versa. A oitava casa é então a nossa capacidade de transformar, romper os nossos casulos, e tornar-nos borboletas. É o verdadeiro lugar para a regeneração espiritual.


No Caranguejo lunar, quando a Lua (a mente subconsciente) é o regente, sentimos forças muito poderosas em ação para “ver” nos cantos mais escuros de nós mesmos, completamente desafiantes e, em última análise, mudando o nosso desenho interno. Neste mês são questionadas as próprias razões da nossa existência.
O que pode parecer ser uma maldição é, de facto, uma bênção disfarçada. Como seres humanos, somos um mosaico dos 12 signos do Zodíaco, e não gostamos de mudança. A própria natureza do Caranguejo é viver no passado, porque o passado parece seguro; nunca vai mudar. Este mês, os nossos valores fundamentais estão em mudança e é para melhor, uma vez que muitas vezes funcionamos com sistemas de crenças muito antigos e fora de prazo.


Numa nota mais global, Plutão e Saturno estão ambos no inflexível Capricórnio, e estamos confrontados com muitas mudanças drásticas na sociedade, em que todas as instituições governamentais são afetadas. O que não está a funcionar é destruído lenta e inquestionavelmente. Perdura muita incerteza e dúvida. Muitos governos estão a enfrentar grandes dificuldades enquanto tentam manter-se e unir-se. O antigo formato já não funciona; precisamos de criar espaço para a nova estrutura de um novo mundo. Grandes mudanças são a soma de muitas pequenas mudanças individuais.


Este mês, preste atenção e limpe o seu “lixo” interno! Marque no seu calendário as três semanas radioativas, que recaem este ano entre os dias 20 de Julho e 11 de Agosto. E tome cuidado para evitar tomar grandes decisões.
Chodesh tov (Bom Mês) a todos!
 

por Yael Yardeni